18 de novembro de 2012

Como Gutenberg inventou a imprensa

Uma reflexão muito curiosa sobre a forma como Gutember chegou à invenção da imprensa - aparentemente, combinando conhecimentos de indústrias e processos completamente distintos. Um deles, a produção de vinho!
An important part of Gutenberg’s genius, then, lay not in conceiving an entirely new technology from scratch, but instead from borrowing a mature technology from an entirely different field, and putting it to work to solve an unrelated problem. We don’t know exactly what chain of events led Gutenberg to make that associative link; few documentary records remain of Gutenberg’s life between 1440 and 1448, the period during which he assembled the primary components of his invention. But it is clear that Gutenberg had no formal experience pressing grapes. His radical breakthrough relied, instead, on the ubiquity of the screw press in Rhineland winemaking culture, and on his ability to reach out beyond his specific field of expertise and concoct new uses for an older technology. He took a machine designed to get people drunk and turned it into an engine for mass communication.

12 de novembro de 2012

"Quando o jornalismo se parecia com Jornalismo", segundo o escritor Pérez-Reverte


"Cuando el periodismo aún se parecía al Periodismo, y eras un redactor novato que pisaba por primera vez la redacción, había dos personajes a los que mirabas con un respeto singular, mayor que el que te inspiraban los redactores jefes en mangas de camisa con tirantes y una botella de whisky metida en un cajón de la mesa, o los grandes reporteros con firma en primera página, a cuyas leyendas soñabas con unir un día la tuya. Los dos personajes a los que más podía respetar un joven periodista eran el corrector de estilo y el redactor veterano.
El primero solía ser un señor mayor con la mesa cubierta de libros y diccionarios, encargado de revisar todos los textos para detectar errores ortográficos o gramaticales antes de que se convirtieran en plomo de linotipia.
A veces, a medio redactar un artículo, te levantabas e ibas a plantearle una duda. Solían ser cultos, educados y pacientes. A uno del diario Pueblo --lamento no recordar ya su nombre-- debo desde 1973 un truco para no equivocarme nunca, después, al manejar debe y debe de.
Cuando es obligación, me dijo, pon siempre debe. Cuando es suposición, debe de. Tampoco he olvidado su aclaración sobre leísmo y loísmo: Lo violó a él, la violó a ella, les violó la correspondencia.
El otro personaje era el redactor veterano. El primer día de trabajo, cuando te internabas entre aquel incesante tableteo de máquinas de escribir y teletipos mirando en torno con aire de parvulito desamparado, siempre había un fulano de cierta edad, sonrisa fatigada y ojos vivos, que señalaba la mesa que tenía al lado y decía: «Siéntate aquí, chaval».
Así lo hacías; y de él, en los siguientes días y meses, aprendías sobre tu oficio más que cuanto escuelas de periodismo y universidades podían enseñarte jamás.
Solía tratarse de periodistas curtidos en la redacción; hombres en su mayor parte, aunque no faltaban mujeres. Anónima infantería, toda ella, sin demasiado futuro. Veteranos maduros, desprovistos ya de ilusiones o esperanzas, seguros de que su carrera profesional no iría mucho más lejos de aquella mesa y de la desvencijada Olivetti que había encima. Conscientes, a esas alturas, de que nunca llegarían a redactores jefe, y tal vez ni siquiera a jefes de sección.
Ese periodista veterano solía ser poco gregario, vagamente cínico, con un punto de simpática misantropía. Respetado por todos, aunque a menudo se mantuviera algo aparte de los compañeros que aún tenían ambición y esperanza.
Y tú, intuyendo que era precisamente él quien poseía las claves del oficio, la experiencia y las certezas que te faltaban, te dejabas adoptar con aplicación y respeto, procurando hacerte digno de su estima.
Aprendiendo a la vez de sus conocimientos, su cinismo y su ternura. Yéndote luego de madrugada, al cierre de la edición, a tomar con él una copa -ese personaje solía beber hasta el amanecer- y formular las preguntas oportunas para hacerlo hablar, y contarte. Para escuchar de su boca los secretos fundamentales del oficio y de la vida.
Y él lo hacía con gusto, cómplice, generoso como si tu futuro empezase exactamente allí donde terminaba el suyo. Contagiándote el amor por el oficio, la fiebre que en su juventud tuvo, y que al hablar le afloraba todavía, pese a los desengaños, en las palabras y la sonrisa.
Y el día que, al fin, firmabas en primera página, te miraba orgulloso como un padre miraría a un hijo, o un maestro a un alumno aventajado. Sabiendo que tu triunfo también era suyo.
Ya no hay gente así en las redacciones. Ni corrector de estilo, ni viejos maestros con la clave del gran periodismo en los ojos cansados. Ni siquiera quedan apenas redacciones.
Los tiempos cambiaron mucho las cosas, los periódicos de papel mueren despacio, las ediciones digitales sustituyen a los grandes rotativos que antes se apilaban en los quioscos --edición especial: Franco ha muerto--, y los propietarios de medios informativos, prensa, radio y televisión, hace tiempo jubilaron a esa clase de gente. Nadie quiere correctores de un estilo que no importa un carajo, y que además se consigue gratis, aunque de manera torpe e imperfecta, con los correctores informáticos.
Tampoco hacen falta, ni conviene tenerlos cerca, molestos veteranos que abran los ojos a la carne de cañón barata que ahora exigen las empresas: jóvenes becarios mal pagados, pendientes de una pantalla de ordenador, nutridos con notas de prensa y mediante Internet, que ni siquiera duran allí lo suficiente para enseñar al joven que los sustituirá en el periodismo superficial e irresponsable, al que nuestro tiempo nos condena.
Sin nadie que el primer día de trabajo, al señalar una mesa cercana y decir «siéntate aquí, chaval» le abra generoso, desinteresado, las puertas del que en otro tiempo fue el oficio más hermoso del mundo."

Arturo Pérez-Reverte, in "Sientate aquí, chaval"
Fonte: Periodista Digital.

28 de setembro de 2012

História do fotojornalismo

Historia del fotoperiodismo Este recurso interativo disponibilizado pela EduCaixa, de Espanha, é uma apresentação que permite navegar por "diferentes momentos e tendências do fotojornalismo". nomeadamente os primeiros jornais, as primeiras fotos de imprensa, a foto-reportagem clássica, a foto documental e o aparecimento do vídeo e da Internet. Informação complementar: AQUI

20 de março de 2012

Acontecimento: "Da Gazeta à Internet"
- grande exposição em Paris (e na Internet)

Henri Béraldi foi um crítico de arte francês que escreveu, num livro intitulado "Voyage d’un livre à travers la Bibliothèque Nationale", publicado em 1893, o seguinte: "Não querendo faltar ao respeito devido à Imprensa, é preciso dizer que o jornal é hoje uma praga para a Biblioteca e sê-lo-á ainda mais no futuro". Beraldi queixava-se da quantidade de jornais que, de súbito, tinham começado a chegar às bibliotecas, sobretudo depois de, em 1891, ter entrado em vigor o regime do depósito legal.
Mais de um século depois, a mesma Biblioteca Nacional de França prepara-se para inaugurar uma grande exposição que vai irar partido precisamente das diversificadas e numerosas colecções de jornais e revistas que, deste modo, foram salvaguardadas e são hoje uma fonte importantíssima da memória colectiva.
A exposição, que abre no dia 11 de Abril e encerra a 15 de Julho, intitula-se "La Presse à la Une: De la Gazette à Internet" [A Imprensa na primeira página: da Gazeta á Internet"] e desdobra-se em quatro grandes vertentes: "Uma história da Imprensda em França", "O fabrico da informação", "Escrever o acontecimento" e "Desafios contemporâneos: imprensa e informação depois da revolução digital". Contou com o apoio do CLEMI (Centre de Liaison de l'Enseignement et des Médias d'Information) e da agência AFP.
 Quem não puder passar por Paris no período de abertura, pode sempre consultar a riquíssima mostra que a Biblioteca Nacional de França colocou já online e que, só pelas imagens já vale a pena ser vista. Mas a consulta no no site vale muito mais do que isso porque o site acolhe muita outra informação relevante relacionada com o tema. Na área da história dos media é, sem dúvida, um dos acontecimentos de 2012.
Para a consulta de um dossiê de apresentação, clicar AQUI.

8 de março de 2012

Nova revista sobre História e Cultura da Televisão Europeia

Cover Page
Acaba de sair o primeiro número da revista científica European Television History and Culture. Trata-se de uma publicação com peer review e em regime de acesso livre, que visa constituir-se como "plataforma internacional para pesquisa e reflexão de qualidade sobre a TV como parte importante da herança cultural europeia".
A revista visa quer o campo académico quer o profissional e resulta da cooperação entre a plataforma EUscreen e investigadores da European Television History Network (ETHN).
O Journal of European Television History and Culture tira partido da recente digitalização de arquivos europeus e bibliotecas digitais e "addresses the need for critical study of the cultural, social and political role of television in Europe’s past and presence with the help of television material that has now become available at a large scale".

12 de janeiro de 2012

"Um jornal português em Inglaterra" dirigido ao Brasil

"Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça foi o jornalista mais influente do Brasil no período anterior à Independência. Seu jornal, o Correio Braziliense, áspero crítico do governo, contribuiu para a formação da consciência nacional. Vários de seus escritos não perderam atualidade. Como disse Afonso Arinos de Mello Franco, “ainda hoje ficamos admirados com a precisão do julgamento de Hipólito”.
Hipólito nasceu em 25 de março de 1774, na Colônia do Sacramento, então um enclave português às margens do Rio da Prata e que agora forma parte do Uruguai. Estudou em Porto Alegre e se formou em direito e filosofia em Coimbra. O governo português o enviou aos Estados Unidos com a missão de estudar o cultivo de plantas úteis ao Brasil, a mineração e a indústria do país. Dessa viagem, que durou dois anos, resultou a sua filiação à maçonaria e o contato direto com a democracia e a liberdade de expressão, que contribuiriam de maneira decisiva para sua formação política. Em Lisboa, onde chegou em fins de 1800, foi nomeado diretor da Impressão Régia.
Em 1802, viajou a Londres com a missão de adquirir livros para a Biblioteca Pública e material para a Impressão Régia. Fez contato com os maçons ingleses, principalmente o príncipe Augustus Frederick, duque de Sussex, sexto filho do rei George III, irmão do rei William IV e alto cargo da maçonaria britânica. Ele seria seu protetor. Quando retornou a Lisboa, Hipólito foi preso por ser maçom e transferido para a prisão do Santo Ofício. Conseguiu fugir três anos depois, chegando a Londres em 1805 através de Gibraltar. (...) 

Continuar a ler: AQUI

11 de janeiro de 2012

Fontes de Imprensa na Hemeroteca Digital de Lisboa

 


A Hemeroteca Digital de Lisboa, aqui já váris vezes referenciada, tem sido uma das instituições que tem vindo a fazer uma grande aposta na digitalização e disponibilização de coleções, nomeadamente de publicações períodicas, que muito interesse têm para quem se dedica à História dos Media. No balanço que acaba de divulgar, relativo ao ano de 2011, é possível ter um olhar panorâmico do que foi feito no ano findo. De novo, o estudioso, nomeadamente o que vive longe de Lisboa, encontra sobejos motivos de interesse na documentação que foi colocada em linha. Aqui fica o mais relevante:

«i) demos continuidade à divulgação de colecções do fundo local, com a disponibilização em linha de títulos como a Gazeta de Lisboa (anos de 1715 a 1720) e a Crónica Constitucional de Lisboa (1833);

ii) colocámos em linha novas colecções de jornais e revistas, caídas em domínio público, como os jornais humorísticos A bomba (1912), A comedia portugueza (1888-1889; 1902), A sátira (1911) e A Risota (1908), revistas culturais e literárias, como a Gazeta literária (1761-1762), Ave Azul (1899-1900), Alma nova (1915-1918) e Sudoeste (1935), e políticas, como a Ordem nova (1907), A Monarchia (1916) e Nova silva (1926-1927);

iii) disponibilizámos alguns anos de jornais retirados da consulta para restauro: o Diário de Lisboa (1.º semestre de 1935), o Diário Popular (Abril a Junho de 1955 e 1.º semestre de 1956);

iv) assinalámos efemérides, com colocação em linha de conteúdos sobre Fialho de Almeida, Ressano Garcia, Manuel da Fonseca e Alves Redol ou o Centenário do Congresso de Turismo;

v) privilegiámos a acessibilidade aos nossos conteúdos digitais, tornando mais intuitiva a navegação no nosso sítio Web, iniciando o trabalho de harmonização da paginação das colecções digitais com a dos originais, e criando dois novos índices - Índice Cronológico e Índice Geográfico - que vêm juntar-se ao já existente Índice de títulos de publicações periódicas digitalizadas

4 de janeiro de 2012

Dos dados à informação e ao conhecimento

A pergunta é pertinente. É colocada num post de há dias de Laurent François em Twitterstories and memory:

Yesterday, I browsed 2011 year in tweets thanks to Twitterstories. Some conclusions:
  • I had already forgotten 70% of what’s happened according to this tool; how will historians do to include our social statements in 50 years?

3 de janeiro de 2012

Biblioteca Digital de História dos Media - 2

Vale a pena regressar aos locais onde fizemos descobertas, sobretudo quando eles não ficaram parados no tempo e se renovaram, enriqueceram, alargaram e tornaram ainda mais interessantes. Os interessados na história do cinema, da fotografia, da televisão e do registo sonoro encontrarão na The Media History Digital Library uma mina absolutamente imperdível. Os autores deste projecto de acesso livre promovem a digitalização de coleções que apenas estavam disponíveis em bibliotecas e que agora podem ser acedidas de qualquer parte em que se possa aceder à Internet. Livros, revistas, filmes, além de um blog relevante para a história do cinema, da TV, da rádio, além das tecnologias da informação e do divertimento são a oferta que é possível encontrar. Eis uma porta de entrada para perceber o leque de coleções disponíveis:
All Collections (1904-1973)
Hollywood Studio System Collection (1918-1948)
Fan Magazines (1914-1940)
Early CinemaEarly Cinema Collection (1904-1918)
Year Book Collection (1922-1963)
Broadcasting Collection (1922-1957)
Non-Theatrical Film Collection (1920-1973)
Technical Journals Collection (1929-1954)